Simulando o som de uma cafeteria

É comum pessoas marcarem encontro de negócios em uma cafeteria ou aparecerem por lá para criar projetos sozinhos ou em grupo. Pode até ser que os envolvidos realmente gostem de café e das comidinhas que eles servem, mas a impressão que tenho é que café dá uma sensação de importância. Eu, por exemplo, não gosto muito da bebida em si, mas gosto de sobremesas com gostinho de café. Como eu não sou 100% café, acho que quem tá nesse clube ganha, de alguma forma, um status de importância imaginário… é como se a pessoa ficasse mais adulta e responsável, sabe? Como se alguém também se tornasse mais confiável por gostar de café. Talvez eu tenha essa sensação por ser do time leite com chocolate. Sou a única a pensar assim? Vai saber…

Mesmo achando que café dá esses super-poderes, eu também tenho essa opinião sobre ele:

i-think

Mas… eu gostaria de ser a doida do café. Porque sim.

Voltando. Recentemente descobri alguns sites que simulam o som de uma cafeteria e achei engraçado. O Coffitivity, pelo que vi, tem faixas que envolvem o murmurinho de conversas em diferentes tons e até o som de talheres. Já o Soundrown, além do som ambiente de uma cafeteria, tem outros como chuva, ondas, pássaros e até parque. O Rainy Cafe permite que a pessoa escolha se quer o som de uma cafeteria, de chuva ou dos dois juntos. Existem ainda muito mais e eles ajudam, principalmente, quem trabalha em casa usando o computador.

Procurei sobre o assunto (porque achei levemente bizarro encontrar tantos sites assim com esses sons) e encontrei algumas pesquisas que afirmam que som ambiente moderado, como o das cafeterias, aumenta a criatividade e, assim, a produtividade. Tal tipo de tom faz com que o cérebro consiga pensar de uma forma mais criativa e com mais foco.

Por isso que muitos defendem que sair da zona de conforto, do ambiente natural, melhora a percepção de determinadas situações. Nada de ficar só em lugares silenciosos ou barulhentos, é bom variar e poder usufruir dos diferentes aspectos que cada um apresenta.

Eu tenho uma maior facilidade em fazer coisas com silêncio, mas gosto de ouvir um pouco de música e acabei gostando desses sons ambientes que não encontro em casa.

A difícil relação com a criatividade

E um dia, de repente, ela não aparece. Não sei se desaparece por um tempo ou se tá só dormindo, mas ela some e eu não sei o que fazer.

Eu me acho uma pessoa criativa desde… bem, talvez desde que eu aprendi o que é a criatividade. Acho que todo mundo é, na verdade, mas em graus diferentes. Pode ser que a minha não seja tão útil, mas me tira de certas situações e deixa o sorriso mais frouxo.

A criatividade não some exatamente, mas é como se, em certos dias, as inspirações não estivessem trabalhando muito bem. De vez em quando tenho dias assim, em que tudo demora mais para ser feito e, muitas vezes, acaba não ficando bom.

A solução, em dias menos coloridos assim, é procurar cores em outros lugares. Tirar um tempo para se inspirar com um filme, livro ou seriado, dar um passeio e ver novos lugares… as situações do cotidiano são inspiradoras, mas às vezes é necessário sair um pouco do automático para dar asas à imaginação.

Escolha algum dia para fazer algo diferente. Reabasteça-se. Não faça só gastar ideias… consuma novas sempre que der.